Os Arquivos de Berzin

Arquivos sobre Budismo do Dr. Alexander Berzin

Mudar esta página para Versão Texto. Saltar para navegação principal.

Home > Fundamentos do Budismo Tibetano > Nível 1: Como Começar > O Propósito e as Vantagens do Debate

O Propósito e as Vantagens do Debate

Tsenzhab Serkong Rinpoche II
das explanações traduzidas e sumarizadas
por Alexander Berzin
Mundgod, India, 20 de Agosto de 2001

No treinamento budista, uma das principais finalidades do debate é a de nos ajudar a desenvolver uma consciência decidida (nges-shes). Tomamos uma posição e depois o nosso parceiro de debate desafia-nos sob muitos pontos de vista. Se conseguirmos defender a [nossa] posição contra todas as objeções e virmos que não contém inconsistências lógicas e que não existem contradições, podemo-nos [então] focalizar nessa posição ou visão com uma consciência totalmente decidida que não pode ser abalada. Também chamamos de firme convicção (mos-pa ) a este estado mental . Precisamos de ter esta consciência convicta e esta convicção firme quando meditamos unifocadamente sobre qualquer tópico, tal como a impermanência, a igualdade entre self e outros, o considerar os outros como mais preciosos do que nós, bodhichitta, vacuidade, e assim por diante.

E mais, para os principiantes, o debate oferece uma situação mais conducente ao desenvolvimento da concentração do que a meditação. No debate, o desafio do nosso parceiro e a influência de termos os nossos colegas escutando forçam-nos a concentrar. Quando meditamos sozinhos, somente a força de vontade nos faz parar o vagueio mental ou o adormecer. Além disso, nos lugares do debate monástico, muitos debates ocorrem uns ao lado dos outros e [num tom] muito alto. Isto também nos força a concentrar. Se os debates à nossa volta nos distraírem ou nos irritarem, estamos perdidos. Quando desenvolvemos a capacidade de concentração no lugar do debate, podemos aplicá-la à meditação e até à meditação em lugares ruidosos.

Além disso, o debate ajuda-nos a desenvolver a nossa personalidade. Não podemos permanecer tímidos e continuar a debater. Temos de nos exprimir quando o nosso oponente nos desafia. Por outro lado, se formos arrogantes ou se ficarmos irritados, a nossa mente não estará clara e, inevitavelmente, o nosso parceiro nos vencerá. Temos sempre de manter o equilibrio emocional. Quer ganhemos ou percamos, o debate oferece-nos uma excelente oportunidade para reconhecer o "eu" a ser refutado. Quando pensamos ou sentimos que "eu ganhei, eu sou tão inteligente", ou "eu perdi, eu sou tão estúpido", podemos reconhecer claramente a projeção de um "eu" sólido e auto-importante com o qual nos estamos identificando. Este é o "eu" que é pura ficção a ser refutado.

Mesmo quando provamos ao nosso parceiro de debate que a sua posição é ilógica, temos de nos lembrar que isso não prova que somos o mais esperto e que ele é estúpido. A nossa motivação deve ser sempre a de ajudar o nosso parceiro a desenvolver a clara compreensão e a firme convicção do que pode ser provado logicamente.